Farmácia Gota Mais



Asma atinge 40 milhões de brasileiros e pode matar

21/06/2017

Chiado, sensação de aperto no peito e falta de ar são os sintomas mais comuns de asma e bronquite. As duas doenças, que são bastante comuns no inverno, costumam confundir os pacientes na hora de procurar o devido atendimento médico, o que pode ser fatal nos casos de asma. Para conscientizar a população sobre a doença, que acomete cerca de 40 milhões de pessoas só no Brasil, hoje (21) é lembrado o Dia Nacional do Controle da Asma, como explica o pneumologista e professor da Faculdade de Ciências Médicas da Santa Casa de São Paulo Mauro Gomes.

O nome correto da asma é asma brônquica e, por isso, é comum que seja confundida com bronquite. Mas não se trata da mesma doença e é muito importante que pacientes compreendam as especificidades de cada uma, para que possam procurar o tratamento medicamentoso e os hábitos mais adequados para cada quadro.

A asma é uma doença inflamatória crônica das vias aéreas que prejudica o fluxo de ar que entra e sai dos pulmões, provocando falta de ar e chiado no peito. O desenvolvimento da doença costuma estar associado a uma causa genética, ou seja, algumas pessoas apresentam uma predisposição a desenvolvê-la e, ao entrarem em contato com fatores que sensibilizam as vias aéreas, como ácaros, pólen e pelos de animais, ela pode se manifestar.

É importante lembrar que a doença é crônica e que as crises são apenas uma manifestação pontual. No Brasil, grande parte da população apresenta problemas respiratórios, seja por fatores climáticos, de poluição ou de hábitos, como o fumo e o uso amplo de fogões a lenha em algumas regiões. Segundo o especialista, geralmente os portadores de asma não a tratam como deveriam.

O maior problema é que os pacientes não veem a doença como crônica e acham que ela só acontece durante as crises. Se tratar, evita-se a crise e pode ter uma vida normal, praticar esportes etc. 30% dos medalhistas olímpicos começaram a praticar esportes porque são asmáticos, como o nadador Gustavo Borges.

De acordo com o especialista, existem dois tipos de tratamento para a asma:

Na crise aguda, a base do tratamento são remédios que dilatam os brônquios, os chamados broncodilatadores. Fora da crise, são utilizados medicamentos de manutenção e prevenção, com anti-inflamatórios. Todas essas substâncias são administradas para dentro dos brônquios por meio de inalação, seja por aparelhos conhecidos como bombinhas, sprays ou inaladores tradicionais. O tratamento deve ser feito todos os dias. Já durante as crises, o paciente utiliza outros remédios.

 

Fonte: R7

 

Acompanhe a Farmácia Gota Mais nas redes sociais.

Assine nossa Newsletter e receba nossas promoções em primeira mão.